A Maravilhosa Graça Salvadora do Senhor

4
1278

Poucas pessoas sabem, mas quase todos os bons ensinamentos encontrados na Bíblia Cristã, no chamado Novo Testamento, podem ser encontrados na Bíblia Hebraica, pelos cristãos chamado de Antigo Testamento.

Talvez o maior ensinamento do Cristianismo seja a chamada graça divina. Isto é, o fato de que o Senhor nos oferece perdão pelos pecados e um relacionamento com Ele mesmo sendo o ser humano iníquo e não-merecedor do favor do Senhor.

Como esse ensinamento tornou-se uma espécie de “marca registrada” do Cristianismo, muitos dos que se achegam ao Monoteísmo Bíblico ou deixam de lado esse ensinamento, ou até preferem não falar do assunto, achando que isso é “coisa de cristão”.

Não deveriam assim se sentir, por dois motivos: O primeiro é que esse realmente é “o” ensinamento mais maravilhoso da Bíblia! E o segundo é que esse ensinamento na verdade vem da Bíblia Hebraica e foi importado pelo Cristianismo. Essa segunda informação talvez surpreenda até mesmo os leitores cristãos.

Mas, para afirmar isso, é necessário apresentar provas. Comecemos por Moisés, que disse aos israelitas profeticamente :

“Quando todas essas bênçãos e maldições que coloquei diante de vocês lhes sobrevierem, e elas os atingirem onde quer que o Senhor, o seu Deus, os dispersar entre as nações, e quando vocês e os seus filhos voltarem para o Senhor, para o seu Deus, e lhe obedecerem de todo o coração e de toda a alma, de acordo com tudo o que hoje lhes ordeno, então o Senhor, o seu Deus, lhes trará restauração e terá compaixão de vocês e os reunirá novamente de todas as nações por onde os tiver espalhado.” (Dt. 30:1-3)

Ou seja, em virtude do arrependimento genuíno do coração dos israelitas, o Eterno teria compaixão de Israel e lhe perdoaria os pecados.

E isso também ocorre em relacionamentos individuais. Observe o que o salmista diz:

“Se tu, Eterno, registrasses os pecados, quem escaparia, ó Senhor? Mas contigo está o perdão para que sejas temido.” (Sl. 130:3,4)

O salmista deixa muito claro que sem a graça do Senhor, ninguém escaparia!

A passagem mais interessante sobre esse tema se encontra em Ezequiel, onde o povo pergunta ao Senhor: “Nossas ofensas e pecados são um peso sobre nós, e estamos desfalecendo por causa deles. Como então poderemos viver?” (Ez. 33:10b)

E o Senhor responde: Pela graça! Observe:

“E, se você disser ao ímpio: ‘Certamente você morrerá’, mas ele se desviar do seu pecado e fizer o que é justo e certo; se ele devolver o que apanhou como penhor de um empréstimo, se devolver o que roubou, se agir segundo os decretos que dão vida e não fizer mal algum, é certo que viverá; não morrerá. Nenhum dos pecados que cometeu será lembrado contra ele. Ele fez o que é justo e certo; certamente viverá.” (Ez. 33:14-16)

O que direi a seguir pode soar um pouco polêmico, mas precisa ser dito: O conceito de graça no Monoteísmo Bíblico é muito superior e mais maravilhoso do que o conceito de graça no Cristianismo.

Digo isso sem a menor intenção de ofender nossos amigos cristãos. E, por isso, explico: No Cristianismo, a graça está condicionada a duas coisas: A primeira, arrepender-se genuinamente. E a segunda, ter fé em Jesus.

Como se sabe, o Monoteísmo Bíblico não crê em Jesus. Sendo assim, como fica a questão da graça?

Para a Bíblia Hebraica, a graça está condicionada apenas à primeira delas! Isto é, basta o arrependimento genuíno.

E por que isso é superior? Primeiro, porque não exclui pessoas com base em suas crenças. O Senhor julgará a todos segundo o que cada um conhece.

Em segundo, porque fé você não controla. Dentro da fé está a necessidade de ser convencido de alguma coisa. Isto é, ter fé exige que você creia. O problema é que você não controla o que crê ou não!

Por isso mesmo, dizemos no Monoteísmo que somos ordenados a buscar conhecer o Senhor, e não a crer nEle!

Em suma, obter a graça do Senhor exige apenas uma coisa: O arrependimento autêntico. Dar ouvidos ao Espírito do Senhor, que se manifesta em nossa consciência, e que frequentemente tentamos calar!

A graça é realmente um dos pontos centrais da Bíblia Hebraica: Nosso Pai Celestial é perfeito em Seu amor, não deseja estar longe de nós nem nos destruir. Ele está pronto para nos perdoar.

E por isso, dizemos: Como é maravilhosa a graça do Senhor, que é derramada de Seu trono sobre nossas cabeças como o orvalho, purificando-nos de todas as nossas transgressões!

Não tenha, portanto, receio de dizer que você vive na graça do Senhor, que a graça dEle te salvou de teus pecados, ou ainda que só pela graça você pode entrar na presença dEle. Tudo isso não só é verdadeiro, como já era ensinado pela Bíblia Hebraica muitos séculos antes do Cristianismo vir a existir!

Podemos, como o salmista, dizer: Só estamos vivos por causa da graça do Senhor! Por isso, de eternidade em eternidade louvaremos Aquele que nos ama, nos perdoa e regenera nossos corações!

4 COMENTÁRIOS

  1. Shaul,

    Poderia fazer uma espécie de “quadro comparativo” com essas semelhanças e postar no Anti-Missionário como PDF ?

    • Meu objetivo não é antagonizar outra fé, apenas chamar à atenção das pessoas que a questão da graça do Senhor não é “coisa de cristão”.

      Via de regra, esses grupos anti-missionários de Internet costumam ser lugares pouco produtivos, de muita briga e falta de respeito. Há muito me retirei de tais meios justamente por isso.

      Ao invés de focar no outro, se focarmos na nossa fé, seremos luz.

  2. Vejo a Graça do Eterno antes mesmo de ” Jesus ”, muitos acham que Jesus que inventou a graça porem vejo por exemplo que foi a graça do Eterno que o mar vermelho foi aberto, e entre outros muitos exemplos…
    não querendo antagonizar outra fé, eu li o ” Novo testamento e sinceramente não vi nenhuma novidade que a torá já não tinha dito, alias também acho que foi usurpado pela cúpula cristã, pois achei ‘Jesus bem Judeu e bem diferente do que falam por aí’… concordo que a graça vem bem antes do chamado novo Testamento …

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here